Preso homem que matou e esquartejou homossexual em Presidente Médici

O homem identificado como Valber Bezerra, conhecido como “Seu Jorge”, que matou e esquartejou o homossexual Ildivan Silva Farias, entregou-se à polícia na manhã desta quarta-feira (30), em Presidente Médici. Ele já se encontra na delegacia de Policia Civil de Santa Luzia do Paruá, onde será interrogado.

Em conversa com a impressa, “Seu Jorge”, demonstrando frieza extrema, assumiu a autoria e contou detalhes do crime bárbado. Ele disse que Ildivan insistiu em ficar com ele. Já na casa do assassino, o homossexual teria insistido e o assassino pediu para que ele saísse. Diante da insistência, o assassino disse que pegou um espingarda e ameaçou disparar. Na primeira tentativa, para ameaçar, a arma não disparou e Ildivan teria dito que ele não teria coragem de fazer aquil.

Com Ildivan de joelhos, o assassino revelou que disparou um tiro na cabeça do homossexual, que morreu no local. No sábado (26), ele pediu a moto do vizinho, que não tinha conhecimento do crime. Ele levou o corpo do homossexual para o açude e disse que o esquartejou sozinho.

“Seu Jorge” também fala a polícia militar onde deixou a cabeça de Ildivan.

Corpo do homossexual encontrado ontem

O corpo do homossexual Ildivan Silva Farias, o Nenzim, foi achado ontem esquartejado dentro de dois sacos de nylon em um açude de uma fazenda, na zona rural, a 3 km da cidade de Presidente Médici.

O caso está investigado pela equipe da delegacia de Santa Luzia do Paruá, sob a coordenação do delegado Élson Ramos. Ele disse que a vítima foi vista com “Seu Jorge” em um bar na noite do último dia 25, em Presidente Médici e, desde esse dia, desapareceu.

A polícia e os moradores começaram a fazer uma varredura pela localidade na segunda-feira (28), mas não encontraram a vítima. Na manhã de ontem, a polícia conseguiu rastrear o sinal do celular de Nenzim e acabou encontrando o aparelho enterrado em uma área de matagal, nas proximidades do município de Centro do Guilherme, mas o corpo foi achado em outro local.

O delegado disse que a vítima foi morta e esquartejada e os pedaços colocados em um saco de nylon e jogado dentro de um açude. Pedras foram colocadas dentro do saco para que não boiasse. “A cabeça da vítima não estava dentro do saco e polícia está procurando pela região”, disse o delegado.(Gilberto Lima)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *