Antônio Pereira defende parceria para resolver problemas dos abatedouros clandestinos no Estado do Maranhão

O deputado Antônio Pereira (DEM) defendeu parceria entre o Governo do Estado e os municípios, para resolver a questão dos abatedouros clandestinos no Estado do Maranhão. Segundo ele, mais de 60% dos abatedouros não têm condições mínimas de fazer seu trabalho, e alguns foram fechados na Região Tocantina.

A defesa foi feita na terça-feira (7), durante reunião da Comissão de Assuntos Municipais e Desenvolvimento Regional da Assembleia Legislativa, para discutir sobre a atual situação dos abatedouros clandestinos no Estado do Maranhão, que causam problemas econômicos e de saúde pública nos municípios.

O democrata sugeriu que a Assembleia busque ajuda do Governo do Estado e dos municípios, para resolver o problema dos abatedouros clandestinos, tão importantes para a saúde pública, pois é uma questão sanitária e econômica. “Quando você trata de saúde pública, diminui os gastos com a saúde pública”, disse.

ARRECADAÇÃO E EMPREGOS

Para o deputado Antônio Pereira, se resolvermos a questão dos abatedouros clandestinos, aumentaremos a arrecadação do Estado e dos municípios e ofertaremos empregos para os maranhenses. “Uma economia forte fortalece a saúde, educação, segurança pública e a própria população”, assinalou.

Antônio Pereira informou que, dos 217 abatedouros existentes no Estado do Maranhão, apenas 20 estão regularizados. Segundo ele, para evitar que a população maranhense fique contra as fiscalizações dos abatedouros e os fiscais, foram feitos vídeos mostrando os perigos do consumo de carne contaminada.

Também participaram da reunião os deputados Dr. Yglésio (PDT), presidente da comissão; o autor da proposta para tratar do assunto; César Pires (PV); Ciro Neto (PP); Wendell Lages (PMN); Carlinhos Florêncio (PCdoB); Adelmo Soares (PCdoB) e representantes de órgãos envolvidos na problemática dos abatedouros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *