Corpos das seis pessoas da mesma família mortas no acidente em SP são enterrados em Pirapemas

As seis pessoas mortas eram de Pirapemas

Foram sepultados no final da tarde desta quinta-feira (5), no Cemitério Municipal de Pirapemas, os corpos das seis pessoas da mesma família, que morreram em um pavoroso acidente de transito, ocorrido na tarde e domingo (1º), na Rodovia João Mellão (SP-255), em Pratânia, no interior do Estado de São Paulo (SP). 

Os familiares das vítimas informaram ontem (4), que o velório foi na Igreja Assembleia de Deus, na Rua Eurico Ribeiro, Centro de Pirapemas. Os corpos só chegaram a São Luís na madrugada de hoje e foram transportados para Pirapemas.  Osepultamento dos seis corpos aconteceu nesta quinta-feira (5).

As vítimas são: o casal, Ismael Pires, de 44 anos, e Laurinda Silva Pires, de 38 anos; seus três filhos adolescentes Ismael Pires Filho, de 16 anos, Israilany Tainara de Sousa Pires, de 14, Israel de Sousa Pires, de 12; e Tayara Vitória, de 2 anos, filha de Israilany. Eles estavam morando no Jardim dos Ipês, em Sumaré.

Da cidade de Sumaré, onde aconteceu o velório, os corpos dos  familiares foram levados para Campinas, de onde foram transportados, em um voo saindo do Aeroporto de Viracopos. Na cidade de Pirapemas, houve um novo velório e o sepultamento ocorreu nesta quinta-feira, no Cemitério Municipal.

A mutidão foi se despedir dos conterrânos mortos

Garota escapou

O acidente aconteceu na Rodovia João Mellão (SP-255), em Pratânia. O carro transportava sete pessoas, e apenas uma sobreviveu: uma garota de 16 anos, namorada de um dos rapazes. Ela foi internada em estado grave no Hospital das Clínicas de Botucatu. Segundo o hospital, seu quadro é estável.

Segundo a PM, o Nissan, Tiida, dirigido por Ismael bateu de frente com um caminhão semirreboque após fazer uma ultrapassagem em local proibido. A PM relatou que Ismael estava com a habilitação vencida, desde 2016, por excesso de multas e que os ocupantes do veículo estavam sem cinto de segurança.

A família havia passado o fim de semana na casa do irmão de Ismael, Antônio Pires, de 56 anos, no município de Águas de Santa Bárbara (a 251 km de Sumaré). Três horas antes do acidente, todos estavam em um culto na igreja evangélica que frequentam. Assim que acabou a cerimônia, a família foi embora.

Os caixões pouco antes do sepultamento

Ultrapassagem proibida

O motorista do caminhão fez teste do bafômetro, que não apontou presença de álcool em seu organismo. A polícia também pediu exame para saber se Ismael havia ingerido álcool.

Rogério Engler Alves, funcionário da transportadora em que o motorista do caminhão trabalha, disse que o condutor lhe contou que o Tiida fez uma ultrapassagem em um ponto proibido e que não houve tempo de fazer nada para evitar a colisão.

De acordo com Antônio dos Reis Pires, seu irmão e a esposa haviam se mudado para a cidade de Sumaré há aproximadamente dez anos. Ismael Pires tinha uma serralheria na cidade, onde trabalhava “de domingo a domingo”. A família é do Maranhão, e Antônio veio primeiro para o interior paulista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.