Enfermeira que levou paciente com Covid em maca é aprovada em mestrado

Paciente com Covid é empurrado por enfermeira em maca na Transamazônica bloqueada - Foto: Reprodução

A enfermeira que ficou conhecida por empurrar uma maca com paciente de Covid-19 na Rodovia Federal BR-230, no Pará, passou no mestrado da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP). Rebeka Fonseca, de 24 anos, recebeu a notícia em meio ao plantão no hospital de Rurópolis, no sudoeste do estado.

Depois de passar por três fases classificatórias, incluindo prova e entrevista, o resultado saiu na sexta-feira (16) e Rebeka passou por um misto de muitos sentimentos ao mesmo tempo ao receber a notícia.

“No mesmo dia que voltei das minhas férias saiu o resultado. Eu estava de plantão e a secretária de saúde me mandou o resultado. Eu não estava acreditando, fiquei em choque. Todo mundo perguntava o que estava acontecendo e eu não conseguia falar”, contou.

Rebeka Fonseca é enfermeira no Pará - Foto: Arquivo Pessoal

Análise da Covid-19 em Rurópolis

Formada há pouco mais de um ano, Rebeka entrou para a linha de frente no combate a uma das maiores pandemias da história da humanidade. E foi justamente a Covid-19 o tema do projeto apresentado para concorrer a uma das vagas do mestrado.

Para que ela pudesse desenvolver o projeto sobre o perfil epidemiológico da doença em Rurópolis, onde atua em unidades de saúde, precisou sair de férias. “Eu já estava pensando em parar para tentar novamente o mestrado, e escolhi minhas férias para março e fui ver a minha família em Monte Alegre. De lá eu fiz o projeto e as provas”, disse.

Rebeka chegou a duvidar do seu conhecimento e da capacidade de passar no mestrado de uma das melhores universidade públicas do Brasil, mas assim como peça fundamental e forte na luta contra a pandemia, não baixou a cabeça e foi à luta.

“A gente nunca pensa que é capaz, eu não estava com esperanças porque eu via os currículos das demais pessoas que eram muito mais experientes. Eram poucas vagas, um processo seletivo muito difícil, mas eu passei”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *