Assembleia aprova projeto do Judiciário sobre Centrais de Serviços Eletrônicos Compartilhados

A Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou, na sessão plenária desta terça-feira (7), em regime de urgência, o Projeto de Lei 279/2022, de iniciativa do Poder Judiciário, que trata das Centrais de Serviços Eletrônicos Compartilhados no Maranhão. O texto normativo estabelece que ficam os notários, registradores e responsáveis interinos pelo expediente autorizados a admitir o pagamento dos emolumentos, acréscimos legais, dívidas e demais despesas por meio de meios eletrônicos

Assembleia aprova projeto do Judiciário sobre Centrais de Serviços Eletrônicos Compartilhados

A proposição também disciplina as formas de pagamento eletrônico para os serviços notariais e de registro dos emolumentos, acréscimos legais, dívidas e demais despesas. A matéria foi encaminhada à sanção do governador pelo presidente da Assembleia em exercício, Glalbert Cutrim (PDT).

O texto normativo estabelece que ficam os notários, registradores e responsáveis interinos pelo expediente autorizados a admitir o pagamento dos emolumentos, acréscimos legais, dívidas e demais despesas por meio de meios eletrônicos.

Entre os vários tipos estão boleto bancário, transferência bancária (DOC, TED, PIX ou equivalente), cartão de débito e crédito, inclusive mediante parcelamento e outras modalidades de pagamento, crédito ou financiamento autorizadas pelo Banco Central do Brasil, a critério do usuário.

Justificativa

De acordo com a Mensagem do Poder Judiciário encaminhada à Assembleia, a utilização de meios digitais para a prestação de serviços públicos e como meio de pagamento é benéfico para a população e está de em consonância com a Estratégia do Governo Digital para o período de 2020 a 2022. Um dos objetivos é transformar todas as etapas e os serviços públicos digitalizáveis.

“Ressalte-se, também, que através do Provimento 127, de 09 de fevereiro de 2022, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determina que formas alternativas de acesso e utilização das atividades notariais e de registro devem ser estimuladas, de forma a garantir uma prestação de serviços notariais e de registro de modo célere e eficiente”, acrescenta o documento.

Por fim, o documento destaca que os custos decorrentes dos serviços complementares prestados pelas Centrais de Serviços Eletrônicos Compartilhados, que são de uso facultativo do usuário, não têm natureza de emolumentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.