Mega operação policial prende quatro dos seis bandidos que metralharam o posto da PRF de Açailândia

 

O posto da PRF foi metralhado pelos bandidos em Açailândia

A Superintendência da Polícia Rodoviária Federal do Maranhão, com o apoio de policiais civis e militares de São Luís, Imperatriz, Santa Inês, Dom Eliseu (PA) e Belém (PA), acaba de prender quatro dos seis criminosos que, armados de escopetas calibre 12 e pistolas, metralharam o posto da  PRF de Açailândia, na BR- 222, na região Oeste. A polícia não divulgou os nomes dos suspeitos para não atrapalhar as investigações.

Mas o tenente-coronel da PMMA, Diniz, revelou a jornalistas que um dos quatro presos foi identificado como Paulo André, e confessou participação na audaciosa ação criminosa contra a PRF. O bandido foi preso portando uma carteira porta cédulas, pertencente ao cabo Frank, que foi levado como refém pelos bandidos.  Paulo Andre disse que é morador do povoado Pequiá e confessou que seus comparsas são de Goiás.

De acordo com informações da polícia, momentos antes metralhar o posto da PRF, os seis assaltantes invadiram uma base da Polícia Militar, localizada na BR 222, no povoado Pequiá, em Açailândia, e levaram como refém, na viatura da PM,  o único policial que estava na base, identificado como cabo Frank. Em seguida se dirigiram para o posto da PRF, onde chegaram atropelando os cones na frente do posto, com o PM de escudo.

Paulo André disse que é morador do Pequiá e entregou os comparsas

 Tiroteio e fuga

Na ocasião, outro policial militar que estava de folga passou no posto da PRF, achou muito estranho uma viatura da PM chegando e atropelando os cones, e parou seu veículo para averiguar. Os assaltantes desceram da viatura roubada, usando o policial militar como escudo e avançaram em direção ao posto PRF.  O cabo Frank pedia para os policias rodoviários não atirar, porque ele era policial e estava como refém dos criminosos.

Quando os bandidos atiraram, o policial militar de folga aproveitou, sacou da pistola e  disparou contra os criminosos. Sem poder atirar, por conta do policial refém, os policiais rodoviários se esconderam no posto, enquanto os assaltantes entravam e levavam um colete a prova de balas, um cinto de guarnição e um carregador com munição, para pistola PT 100.40.

Em seguida os bandidos deixaram o posto da PRF em direção a Buriticupu, levando o refém. Mais na frente, em Açailândia,  roubaram uma picape branca  pertence a uma empresa da região, estouraram os pneus da viatura e a abandonaram o veiculo. O refém e a picape foram abandonados numa plantação de eucalipto. Felizmente o cabo Frank passa bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.