Mais duas pessoas morrem eletrocutadas no Maranhão; só entre janeiro e fevereiro, foram sete mortes por descarga elétrica registradas no Estado

Um homem, identificado como Ítalo Morais, morreu eletrocutado enquanto trocava uma lâmpada dentro da empresa em que era dono, no município de Olho d`Àgua das Cunhâs, a cerca de 300 km de São Luís. O caso é semelhante a outro, que aconteceu em Joselândia, na noite de quarta-feira (28). Maria Rosa, de 30 anos, morreu eletrocutada ao quando tentava desligar um tanque de lavar roupas. 

Homem morre eletrocutado em Olho D'água das Cunhãs

.De acordo com testemunhas, o caso aconteceu na tarde de sexta-feira (1º). Ítalo era comerciante, do ramo de bebidas, e teria tentado instalar a lâmpada sem desligar o disjuntor de energia.

Após sofrer a descarga elétrica, Ítalo ainda foi levado a um hospital, mas não resistiu e acabou morrendo. 

Maria Rosa, de 30 anos, morreu após sofrer uma descarga elétrica ao manusear um tanque de lavar roupas, no município de Joselândia — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Outro caso no Maranhão 

O caso é semelhante a outro, que aconteceu em Joselândia, na noite de quarta-feira (28). Maria Rosa, de 30 anos, morreu eletrocutada ao quando tentava desligar um tanque de lavar roupas.

Segundo testemunhas, a vítima tentava desligar um tanque de lavar roupas quando sofreu o choque elétrico. Os vizinhos tentaram socorrer a vítima, mas constataram que ela já havia falecido no local.

Devido às dificuldades no acesso de carros, por causa de uma obra na estrada de acesso ao povoado, foi necessário fazer o transporte do corpo da vítima através de uma rede.

Mulher morre eletrocutada ao usar tanque de lavar roupas no MA | Maranhão | G1

Apesar das dificuldades, os familiares fizeram o translado do corpo para o povoado de Bonito, para que pudesse ser feito o velório.

Em nota, a Prefeitura de Joselândia informou que não houve solicitação de carro para o translado, pois a família da vítima voluntariamente realizou o transporte

(Com informações do portal G1MA)

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publica resoluções com regras para as Eleições 2024

TSE publica resoluções com regras para as eleições municipais

As resoluções que regerão as Eleições Municipais de 2024 foram publicadas, nesta sexta-feira (1º), no Diário da Justiça Eletrônico do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As 12 normas, aprovadas pela Corte nesta terça-feira (27), fixam as regras do pleito, previsto para o dia 6 de outubro (1º turno).

Os textos servem de diretrizes para candidatas, candidatos, partidos políticos e o eleitorado que vai às urnas escolher novos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores para os próximos quatro anos.

Relatadas pela vice-presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, as resoluções foram elaboradas a partir das normas-base, publicadas em anos anteriores. As alterações, pontuais, decorreram da necessidade de atualização e foram feitas após ouvir as sugestões dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), de partidos políticos, de cidadãos, de universidades e de entidades da sociedade civil em audiências públicas, realizadas em janeiro.

Conforme explicou a relatora, as resoluções das eleições buscam dar exequibilidade e efetividade aos fins postos no sistema constitucional e na legislação de regência, “com absoluta deferência e respeito aos comandos do Poder Legislativo”. “O papel da Justiça Eleitoral com as resoluções é apenas desdobrar o que está posto na Constituição e nas leis”, ressaltou a ministra Cármen Lúcia, na sessão de terça.

Confira, no Portal do TSE, todas as 12 resoluções que regerão as Eleições 2024.

Após passar 10 anos acamado, homem morre e é velado sentado em poltrona

Como última homenagem, uma das filhas tomou a decisão de fazer o velório com ele sentado

O enterro de seu Quirino, por sua vez, aconteceu de maneira tradicional - (crédito: Arquivo Pessoal)

Um homem de 96 anos teve um velório inusitado nesta sexta-feira (1º/3), em Goiânia. O carpinteiro Quirino da Silva Souza foi velado com uma camisa azul, sentado em uma poltrona ao lado de seus entes queridos.

Há 10 anos, Quirino estava acamado e sua condição não o permitia sentar e nem ficar em pé. Uma de suas filhas, então, tomou a decisão de sentá-lo no velório, a fim de dar a oportunidade para aqueles que o vissem pela última vez pudessem se sentar ao lado dele e prestar uma última homenagem.

Idoso morre e é velado sentado em poltrona; homem passou 10 anos acamado | SALVADOR NOTÍCIA

Ao Correio Braziliense, Ana Cristina Souza, filha de Quirino, disse que foi uma surpresa para a família. “E põe surpresa nisso! Minha irmã, que cuidava dele há 20 anos, teve essa ideia”. Ela acrescentou que o velório foi uma maneira de se sentir mais próxima do pai. “Foi como se fosse uma roda de conversa”, explica.

A empresa contratada para o velório atendeu ao pedido da família com disposição e carinho, de acordo com informações do portal Mais Goiás. “A pessoa falecida está sendo velada de uma maneira que representa sua singularidade – sentado em uma poltrona, como um gesto simbólico da vida que ele levou”, afirmou a companhia.

O enterro de seu Quirino, contudo, aconteceu de maneira tradicional, informou Ana Cristina.

João Evangelista, um furacão na política do Maranhão

Difícil dimensionar de onde brotava tanta energia, talento e dedicação do saudoso João Evangelista Serra dos Santos, transformado, por conta de sua luta, num autêntico furacão na política maranhense. Foi um dos mais fortes e carismáticos líderes  políticos de sua época, conquistando seu espaço com sangue suor e lágrimas. Não teve espólio. Suas conquistas foram por ousadia, mérito e questão vocacional.

Tive o privilégio de acompanhar sua trajetória, privar de sua amizade e de acompanhá-lo como diretor de Comunicação Social durante sua gestão como presidente da Câmara Municipal de São Luís, no biênio 1994/1995.

Nossos caminhos se cruzaram, na realidade, em 1977, no 24° Batalhão de Caçadores, no Exército, onde servimos na mesma unidade, a Segunda Companhia de Fuzileiros. Ele ingressou no ano anterior, mas ficou para dar baixa no ano em que ingressei. Nosso contato foi apenas superficial naquele período, conversas amenas entre dois jovens que estavam buscando seus rumos, ainda sem projetos definidos de futuro.

Fomos nos reencontrar mais de duas décadas depois, quando ele já era político de mandato, como vereador de São Luís e eu jornalista integrante da lendária equipe do JORNAL DE HOJE.  Eleito vereador pela primeira vez em 1988, era aliado do ex-governador João Castelo, proprietário do matutino, e costumeiramente ia à redação do matutino.

Como eu fazia cobertura na Câmara, estreitamos mais ainda nossos laços. Sempre dizia, no final dos nos 1980, que ainda seria presidente da Câmara Municipal e que sonhava ser prefeito de São Luís. Confesso que não dava muito crédito ao sonho do jovem parlamentar.

Mesmo assim, o admirava, em razão de conhecer sua luta. Oriundo do povoado Santana, no pequena cidade de São João Batista, chegou em São Luís tocado pela necessidade e foi ser comerciário na rua Grande, atuando numa loja de calçados.

Fui conhecer todo o seu potencial a partir de sua reeleição para a Câmara, no pleito de 1992. Antes de assumir o segundo mandato, enviou um de seus assessores, de nome Benedito, à minha casa, no Parque dos Nobres, com a missão de  que fosse conversar com ele, em seu gabinete, na Câmara, numa tarde de quarta-feira. Isso, no final de novembro.

Fui e ele me recebeu dizendo, de forma entusiasmada:

-Meu preto, sou candidato a presidente da Câmara e tu será o meu homem da área de Comunicação!

Ponderei, afirmando  que não poderia assumir qualquer compromisso, até porque já ocupava a função de diretor do setor, com o então presidente Deco Soares, que não havia sido reeleito. Disse que seguiria a orientação dele até o final de seu mandato como presidente, que ia se expirar no dia primeiro de janeiro de 1993, quando da eleição e posse da nova Mesa Diretora.

Ele então ligou para Deco Soares,  conversou  por uns três minutos e me passou o telefone. Deco disse  que o apoiava e me liberou.

Agora, Djalma, quero dar o pontapé inicial, o que sugeres?

Orientei para que reuníssemos a imprensa num almoço para anunciar a candidatura. Apontei o restaurante Base da Lenoca, que funcionava próximo à Prefeitura, como melhor opção, porque os jornalistas que cobriam, tanto a  Câmara como a  Assembleia Legislativa, à época na rua do Egito, em sua maioria, não tinham carro, e o local facilitava a participação de todos.

Pediu que assumisse logo a função de comunicador da campanha presidencial e fizesse a convocação para a entrevista coletiva de lançamento. O almoço ocorreu numa sexta-feira. Contabilizamos 35 comunicadores, incluindo jornalistas da mídia impressa, radialistas e integrantes de redes de televisão. Um sucesso. Foi o assunto do final de semana.

 Domingo pela manhã, ele me liga bem cedo, feliz da vida e pede que me dirija à sua residência, no  Cohatrac. Cheguei por volta das 10h. Me deu um forte abraço e me disse:

-Tudo indica que seremos presidente! Gostei muito do trabalho e temos que discutir os próximos passos.

Sugeri a elaboração de  um plano de ação para apresentar  a  vários segmentos da sociedade, como forma de manter o nome em evidência e conquistar apoios.

Nove anos sem o saudoso João Evangelista - Manoel Santos

Na terça-feira o plano estava pronto. Ele gostou da ideia e o documento foi apresentado na Fiema, Associação Comercial, sindicatos e até ao comando do 24° BC. O projeto de gestão contemplava jovens que haviam servido o Exército, com sugestões para a inserção no mercado de trabalho.

O levei para entrevistas em várias emissoras de rádio, TV e pedi a alguns amigos colunistas de matutinos,  que sempre mantivessem o nome dele em suas respectivas colunas,  com base em suas propostas de campanha.

  O entusiasmo era grande na equipe. O adversário preocupava. Era o vereador Tadeu Palácio, que detinha o apoio declarado do então prefeito Jackson Lago, que havia conseguido fazer sua sucessora, Conceição Andrade. Ela tomaria posse junto com os vereadores, exatamente no dia da eleição da Mesa Diretora do Legislativo Municipal.

Em dezembro, as manobras estavam em pleno andamento. Os dois lados utilizavam as armas que dispunham. Um autêntico xadrez político. A cada hora, uma informação diferenciada sobre quem detinha mais apoios. Notas em colunas políticas e notícias em emissoras de rádio, sobre quem tinha maioria para vencer a disputa faziam a população ficar atônita. Como numa guerra convencional, em disputa política, a primeira vítima é a verdade.

Em meio  a um vendaval de informações desencontradas, surge uma viagem para um congresso de vereadores, em Foz do Iguaçu, no Paraná. Evento que duraria três dias. Evangelista fala com Deco Soares para me incluir na viagem. Viajei com a orientação de ficar atento a tudo. Participaram do evento vereadores dos dois lados. Apesar de tudo, era uma disputa  marcada pela civilidade. Eu e o João Evangelista chegamos a sentar na mesma mesa, no hotel Bourbon, com Tadeu Palácio e alguns dos vereadores que o apoiavam.

Posso dizer que nessa viagem, aprendi a blefar na política. Uma história interessante.

O vereador Antônio José Manga, professor e dono de escola, estava relacionado como integrante da tropa de choque de Tadeu Palácio. Ele era muito amigo do meu falecido irmão, João da Mata, que morava na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Se hospedava na casa dele, quando ia àquele Estado.

Na segunda noite em Foz do Iguaçu, por volta das 22h, eu estava no hall do hotel, quando Manga desembarca de um táxi e me chama para que tomasse uma cerveja com ele no bar. Disse que estava com problema de saúde mas o acompanharia, tomaria um suco.

 Toda a conversa girou em torno da disputa  João Evangelista/Tadeu Palácio. No meio do bate papo. Disse-lhe que estaria melhor situado ao lado do Evangelista, argumentando que assim como ele (Manga), Evangelista era egresso de família humilde e teriam mais facilidade de entendimento.

-Baixinho, se  me colocar como primeiro vice-presidente, fecho com ele na hora!

Veio aí o blefe. Respondi que estava credenciado a fazer acordos em torno da composição da Mesa Diretora e que pela manhã lhe daria uma resposta definitiva.

Morre João Evangelista, ex-presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão - RN

Fomos para os respectivos apartamentos por volta da meia noite. Liguei nervosamente para o quarto do Evangelista. Ele estava acordado. Relatei o teor da conversa com Manga. Ele aplaudiu e disse que, no dia seguinte, bem cedo iria conversar com ele. Mandou que às 7h o levasse para um encontro, por trás da área da ´piscina, onde ninguém pudesse vê-los.

Fui às 6h30 no quarto do Manga, com a orientação. Ele tomou banho, foi ao restaurante tomou café e se dirigiu ao local indicado. Chegou  no Paraná no grupo de Tadeu e voltou para São Luís como vice-presidente de João Evangelista.

Ganhei musculatura no grupo. Era convocado para praticamente todas as reuniões. Fui designado para trabalhar o voto do saudoso Sebastião do Coroado, até então indeciso, mas alvo de forte assédio por parte do grupo adversário, tento como intermediário, além dos vereadores, o empresário Otávio Cunha, à época poderoso presidente do  Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET).

Disputa pela presidência da Câmara é interessante. Mobiliza toda  cidade. Gente que sequer frequenta a Casa se envolve. É algo emocionante. Provoca acirrada disputa até entre famílias.

Sebastião estava no auge de sua carreira. Além de vereador, presidia a Federação de Umbanda e Culto Afro Brasileiro do Maranhão. Organizava,  no último dia do ano, a grande festa na praia do Olho D,Água, reunindo membros de terreiros da religião de matriz africana de São Luís e de vários outros municípios.

O SET, com apoio da Prefeitura, cedia ônibus para o transpores dos filhos de santo. Era um voto difícil para João Evangelista. Passei e ir toda noite para a casa dele, no Coroado, por trás da feira do João Paulo. Pegava uns búzios, em meio a conversa, jogava na mesa, fazia uns movimentos e dizia:

-Tá dando Tadeu Palácio!

Instituto faz homenagem ao ex-deputado João Evangelista – Jorge Vieira

O tempo estava passando. Faltavam três dias para a eleição e eu indaguei:

-Com sua força espiritual, e sendo amigo do Evangelista, não dá pra mudar essa história?

Ele respondeu que sim, mas que precisava de um trabalho muito forte.

Foi marcado um encontro com o João e ele fez o trabalho forte. Ingressou no grupo, mas jamais deixou de ser assediado.

Na véspera da posse, pediu que fizesse a declaração do  seu patrimônio, para apresentar à Justiça Eleitoral. Fiz e o grupo ficou hospedado no Hotel Araçagi. Sugeri que não colocasse o nome dele como hóspede, para evitar que recebesse uma avalanche de telefonemas. Assim foi feito.

Ficou definido que ele teria  dois apartamentos, porque iria levar alguns filhos. No dia 31 de dezembro, ninguém dormiu. Fui levar o Sebastião para sua festa na praia, acompanhado  de dois  seguranças. Dei ordens expressas de se aproximarem de qualquer desconhecido que chegasse perto do vereador.

O festejo religioso terminou às 4h da manhã. Chegamos no hotel às 5h.  João Evangelista, Assub, José Joaquim, Chico Carvalho, João Bentivi, Pavão Filho e outros vereadores estavam à espera, na entrada do hotel. Cheguei com o ele e todo mundo se tranquilizou.

João Evangelista se elege presidente e inicia uma trajetória de liderança que até hoje provoca surpresa e admiração. Era um homem incansável e obstinado. Logo após eleito, mostra seu lado sensível. Começa uma série de mudanças. Numa manhã fde segunda-feira, reuniu todos os funcionários no pátio da Câmara e afirmou:

-Quero agradecer a todos que torceram por mim, falar da gratidão pela vitória e dizer que não estou aqui com o intuito de tirar o pão da boca de nenhuma família. Nenhum dos servidores que trabalham será demitido, podem ficar tranquilo.

Conquistou ao servidores, fez uma gestão compartilhada com os demais colegas e se lançou candidato a deputado estadual. Participei da campanha. Ele era movido a ideais e pela política.

Inesquecível uma dessas jornadas. Fizemos uma caminhada sob sol escaldante no Anjo da Guarda, das 14h às 16h. De lá, rumamos para o São Francisco, onde houve outra caminhada, seguida de um rápido comício e, ao final, já por volta das 19h, ele decidiu que iríamos direto para a cidade de Pio XII, onde aconteceria um evento na manhã seguinte, organizado pelo então prefeito Jansen Veloso, seu correligionário e cabo eleitoral.

Há uma história interessante sobre a sua eleição para deputado e o resultado para o governo do Estado naquele ano de 1994. A disputa era entre Epitácio Cafeteira e  Roseana Sarney.  Cafeteira estava sendo apoiado por João Castelo, que disputava o Senado. Evangelista era castelista. Se elegeu obtendo, só na Ilha, 18 mil votos.

No intervalo do primeiro para o segundo turno da eleição governamental, ele foi vítima de intrigas dentro do grupo, o que provocou seu afastamento de Cafeteira, embora ele tenha tentado, de todas as formas se manter na oposição. O acompanhei num doingo pela manhã, numa conversa com  João Castelo, na Quimicanorte, na estrada de São José de Ribamar, onde falou que queria permanecer no bloco, mas enfatizando que estava sendo ignorado por  Cafeteira. Castelo tentou contornar a situação e não conseguiu.

Sem ambiente, foi levado por Chico Carvalho para conversar com o grupo Sarney. Roseana acabou vencendo a disputa exatamente por 18 mil votos de diferença. Cafeteira foi derrotado por conta de intriga de aliados.

 Na Assembleia Legislativa, foi eleito quatro vezes e permaneceu de  1995 a 2010,  e presidente daquele poder de 2005 a 2009. É pai do deputado estadual Neto Evangelista.

Foi ainda gerente regional de Zé Doca, quando Roseana mudou a nomenclatura de secretarias para gerências.

Permaneceu no grupo Sarney até 2004, porque preferiu acompanhar o então governador Zé Reibaldo, ex-vice de Roseana, que rompeu com a família Sarney, por conta das desavenças entre Roseana e a então primeira-dama, Alexandra Tavares.

 

REGISTROS: João Evangelista: a morte e a repercussão

Foi uma das principais lideranças do movimento “Frente pela Libertação do Maranhão,”  que levou Jackson Lago ao governo do Estado, em 2006. Zé Reinaldo costuma dizer que, após o rompimento com os Sarney, só conseguiu a governabilidade em decorrência do apoio que recebeu de Evangelista, na presidência da Assembleia Legislativa, Cleomar Tema, como prefeito de Tuntum e presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), Humberto Coutinho,  prefeito de Caxias na época e principal  liderança política   da região do Leste maranhense,  e Rubem Pereira, deputado estadual  e líder da  cidade de Matões.

Já no grupo de oposição e muito ligado a Zé Reinaldo, se aproximou de Jackson Lago, com quem manteve uma forte aliança, até o seu falecimento.

Teve sua vida abreviada  na madrugada   do dia 15 de maio de 2010, no Hospital São Domingos, em São Luís, após três meses de internação por complicações decorrentes da retirada de um tumor maligno do cérebro.

Semanas antes de morrer, fui visitá-lo, por insistência de um amigo comum, o Hernane Curió. Não queria vê-lo naquele estado. Pensava manter apenas aquela imagem do homem disposto e incansável que conheci. Sua imagem no leito do hospital me deixou muito triste. Cego e inerte, recebendo massagens da esposa Georgina. Uma cena comovente, que me desorientou momentaneamente.

O corpo do parlamentar foi sepultado com honras militares, no Cemitério Parque da Saudade, no Vinhais.

Havia descoberto o tumor   dois anos antes, durante um check-up de rotina em São Paulo. Completaria 53 anos no dia 3 de junho daquele ano.

Teve uma vida marcada por lutas e conquistas, fruto de um trabalho meticuloso e de muito esforço. Deixou um grande legado na política do Maranhão, onde se destacou por ser um parlamentar ousado e de posições firmes.  Um homem hábil e de larga visão. Um furacão na política do Estado.

Por Djalma Rodrigues

Por iniciativa do deputado Antônio Pereira, Alema entrega medalha “Manoel Beckman” aos advogados Charles Henrique Dias e Vandir Bezerra

Advogado Vandir Bezerra recebe a Medalha Manoel Beckman das mãos do deputado Antônio Pereira

Em sessão solene realizada na sexta-feira (01), no Plenário Nagib Haichkel, a Assembleia Legislativa do Maranhão concedeu a medalha ‘Manoel Beckman’, maior comenda do Poder Legislativo Estadual, aos advogados Charles Henrique Miguez Dias e Vandir Bernardino Bezerra Fialho Júnior. As proposições são de autoria, respectivamente, dos deputados Rildo Amaral (PP) e Antônio Pereira (PSB). Compareceram ao evento diversas autoridades, operadores do direito, familiares e amigos dos homenageados.

O ato solene foi comandado, alternadamente, pelos deputados Rildo Amaral e Antônio Pereira. Compuseram também o dispositivo de honra da cerimônia o procurador-geral do Estado, Valdênio Caminha; e o presidente da OAB/MA, Kaio Saraiva, que destacou a trajetória dos homenageados e agradeceu a presidente da Assembleia, deputada Iracema Vale (PSB), e ao deputado Rildo Amaral.

“A Casa do Povo maranhense faz, hoje, o reconhecimento do trabalho dedicado e determinado desses dois brilhantes homens, que honram e dignificam a advocacia maranhense. É uma justíssima homenagem prestada pelo Poder Legislativo Estadual não só a esses dois grandes nomes da advocacia maranhense, mas à OAB/MA. Agradecemos imensamente!”, afirmou Saraiva.

Reconhecimento

Na saudação aos agraciados, o deputado Rildo Amaral disse que a concessão da maior comenda da Assembleia Legislativa aos dois advogados, que, hoje, militam em Imperatriz, é o reconhecimento do trabalho que desenvolvem na advocacia imperatrizense e maranhense.

“É uma honra poder homenageá-los pela história que construíram ao longo desse tempo na advocacia. São os dois ludovicenses mais imperatrizenses que conheço. A outorga dessa comenda é um reconhecimento profissional, ético e moral da contribuição que ambos dão à cidade de Imperatriz”, assinalou Rildo Amaral.

Por sua vez, o deputado Antônio Pereira destacou o trabalho profissional de ambos em favor da sociedade imperatrizense. “O exemplo de vocês fica para as próximas gerações. É um trabalho árduo, permanente e pautado na ética profissional e no engrandecimento da advocacia maranhense. Esta Casa, por unanimidade, reconhece o trabalho de vocês na advocacia e os reverencia”, frisou.

Agradecimentos

Charles Dias agradeceu a honraria de forma efusiva. “Esta medalha é do povo de Imperatriz. Agradeço à presidente da Assembleia e, em especial, ao proponente dessa medalha, o deputado Rildo Amaral, pelo reconhecimento. Agradeço a todos os parlamentares que integram o Poder Legislativo Estadual. Estou muito feliz e lisonjeado em receber tamanha honraria”,

Vandir Bernardino também agradeceu a concessão da comenda. “Muito me orgulha receber essa medalha na gestão da primeira mulher a presidir o Poder Legislativo do Maranhão, a deputada Iracema Vale, a quem agradeço.’

Homenageados

O advogado Vandir Bernardino Bezerra Fialho Júnior é natural de São Luís, mas reside em Imperatriz desde 1995. Foi homenageado pela Câmara de Vereadores com o título de “Cidadão Imperatrizense”. Iniciou sua história na OAB/MA como orientador do Escritório Experimental. Já exerceu os cargos de presidente e de secretário-geral da Subsecção da OAB de Imperatriz. Foi presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB do Sul do Maranhão. Em 2021, recebeu a maior honraria da advocacia maranhense, a medalha “Antenor Bogéa”. É conselheiro da OAB/MA, no cargo de secretário-geral adjunto, e corregedor-geral para o período 2022-2024.

Charles Henrique Miguez Dias é filho de São Luís. É conselheiro federal reeleito da OAB/MA para o período de 2022-2024. Atua na advocacia de Imperatriz.  Tem um legado de trabalho dedicado à advocacia maranhense. No final do triênio 2019-2022, foi homenageado por uma distinção do Conselho Federal da OAB, uma láurea de agradecimento pelo seu comprometimento com as causas democráticas e com o direito de defesa.

Negociação de dívidas lidera procura por serviço de conciliação na Câmara de São Luís

A busca por negociação de dívidas liderou a procura do 1º Centro de Mediação e Conciliação de Políticas Públicas de São Luís, desde a sua inauguração no início desta semana. A informação é da assessora da Procuradoria da Câmara Municipal de São Luís, Regina Andrade, responsável pelo posto de atendimento.

Segundo ela, a unidade oferece à população a oportunidade de buscar acordos e soluções negociadas, evitando a judicialização de conflitos, que gera custos e desgastes para os envolvidos.

“A demanda pelo serviço aumenta à medida que a população toma conhecimento do serviço de conciliação que pode resolver demandas que não foram judicializadas”, informou a servidora.

Inaugurada na última segunda-feira (26/2), a unidade ampliou o leque de atendimentos, proporcionando mais conforto e segurança para os cidadãos. Fruto de uma parceria com o Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), o posto de atendimento, que funciona no prédio do Legislativo ludovicense, está aberto aos cidadãos de segunda a sexta-feira, de 8h às 14h.

“Já tivemos alguns atendimentos nestes primeiros dias de funcionamento. A tendência é a procura aumentar nos próximos quinze dias. A busca por negociação de dívida lidera a demanda de procura em nossa unidade, seguida por pensão alimentícia, investigação de paternidade e dissolução de união estável”, completou.

Agendamento

Para solicitar uma audiência de conciliação no Centro de Mediação e Conciliação, o cidadão deve comparecer pessoalmente à unidade, que está instalada na Câmara, portando documento de identificação com foto, CPF e comprovante de endereço, e apresentar sua queixa ou demanda.

O caso será registrado por um atendente, que verificará seu enquadramento nas matérias acolhidas pelo órgão, fará o agendamento da audiência de conciliação e enviará uma carta-convite ao reclamado.

Além disso, os interessados também podem fazer um agendamento pelo WhatsApp do Nupemec (98 3198-4558) ou preencher um formulário eletrônico: https://sistemas.tjma.jus.br/conciliacao-online/#/inicio/. As audiências acontecerão de forma presencial ou por videoconferência.

Cultura do acordo

A conciliação ganhou papel importante com a entrada em vigor da Lei 9.099/1995, que regulamentou os procedimentos dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais e instituiu critérios como a informalidade, economia processual e celeridade para orientar os processos, buscando sempre que possível a conciliação ou a transação. A mediação contribui para a pacificação social, ao incentivar a cultura do acordo.

Secretário Yuri Arruda tem férias interrompidas por Brandão e será adjunto na SEGOV; Kécio Rabelo desmente ida para a SECMA

Foi publicado na sexta-feira, 1º de março, no Diário Oficial do Maranhão que o secretário estadual de Cultura, Yuri Arruda, está com suas férias suspensas. Nos últimos dias cresceu a especulação de uma possível troca de titularidade no comando da SECMA e o nome de Kécio Rabelo vem sendo apontado como provável substituto, fato que o próprio desmente.

Em contato com o site www.diegoemir.com, Kécio afirmou, após ser questionado sobre uma possível ida para SECMA: “Não é verdade. Continuo à frente da presidência da Fundação da Memória Republicana Brasileira cumprindo a missão que me foi designada pelo governador Carlos Brandão. A secretaria de Cultura tem um titular que tem trabalhado com dedicação. Somos um só time, liderados pelo Governador Brandão com uma única causa: servir o Maranhão”.

Yuri Arruda estava com férias previstas para os próximos 30 dias, a contar desta sexta-feira, porém estas foram suspensas.

Membros do Governo garantem que na reforma administrativa a ser promovida pelo governador Carlos Brandão, o secretário Yuri Arruda será remanejado da SECMA para a adjunta da SEGOV.

Ligado a Roseana Sarney, Kécio Rabelo é favorito para assumir a Secretaria da Cultura do governo Brandão no lugar de Yuri Arruda

O bacharel em direito Kécio da Silva Rabelo, ligado a deputada federal Roseana Sarney, do MDB, é o favorito para ocupar a secretaria de Estado da Cultura em substituição a Yure Arruda.

O bacharel em direito Kécio da Silva Rabelo, ligado a deputada federal Roseana Sarney, do MDB, é o favorito para ocupar a secretaria de Estado da Cultura em substituição a Yure Arruda.

Atualmente, Kécio é presidente da  Fundação da Memória Republicana Brasileira (FMRB), com sede no Convento das Mercês, no centro histórico de São Luís

A saída de Yure é cogitada desde do rompimento dele com o seu ex-padrinho político, Paulo Victor, vereador presidente da Câmara de São Luís.

O governador Carlos Brandão optou na permanência de Yure devido a proximidade do carnaval 2024, contudo, após as festividades momescas, toda a cúpula atual da cultura estadual deverá ser trocada.

Conforme apuração do blog, o adjunto do sarneysista Kécio será o cantor da Companhia Barrica, Roberto Brandão Com informações do Domingos Costa

Com informações do Domingos Costa

Detran-MA divulga que terá mais aumento de taxas cobradas aos condutores de veículos

Em fevereiro, o órgão anunciou o aumento de 85,09% na taxa de licenciamento de veículo anual (CRLV), que passou de R$ 85 para R$ 157,33.

O Departamento Estadual de Trânsito do Maranhão (detran) divulgou que os condutores terão que pagar ainda mais para terem acesso às operações de crédito com garantia de alienação fiduciária dos seus veículos. 

Isso porque o Detran aumentou a taxa de registro de veículos de R$ 95,02 para R$ 155,58, representando um aumento de quase 64%. Além disso, foi instituída uma nova taxa, chamada “preço público”, no valor de R$ 196,98, referente ao serviço de armazenamento e transmissão de dados.

Em fevereiro, o órgão anunciou o aumento de 85,09% na taxa de licenciamento de veículo anual (CRLV), que passou de R$ 85 para R$ 157,33. Ainda segundo o Detran-MA, os novos valores estavam previstos para serem aplicados 90 dias corridos após a data da publicação da Lei, conforme Artigo 46, Inciso II, sendo a data do dia 19 de fevereiro do decorrente ano.

De acordo com o órgão, os ajustes foram realizados com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), aplicado pela Secretaria de Estado da Fazenda, além de estudo de preços dos serviços aplicados pelos departamentos de trânsito dos estados da região Norte e Nordeste.

Portaria DETRAN/MA Nº 142 DE 23/02/2024

Portaria DETRAN/MA Nº 142 DE 23/02/2024Fonte: Imirante

Médico sofre tentativa de sequestro ao sair de clínica no centro de São Luís

O médico oftalmologista Thiago Valadão, filho do famoso cirurgião do aparelho digestivo, José Aparecido Valadão, sofreu uma tentativa de sequestro relâmpago, nessa quinta-feira, 29, no Centro de São Luís.

Thiago saía da Clínica da Família, na Avenida Silva Maia, nas proximidades do Ginásio Costa Rodrigues, por volta das 15h, quando foi abordado por três homens em um veículo de placas desconhecidas.

Os bandidos tentaram colocar o médico dentro do carro para concretizar um sequestro. Thiago Valadão resistiu e travou uma conversa com os três homens.

Após um consenso, o oftalmologista transferiu um valor via PIX e foi liberado pelos bandidos, que fugiram em seguida.

A tentativa de sequestro foi registrada em uma delegacia, mas a polícia ainda não tem pista dos assaltantes, que devem pertencer a uma organização criminosa especializada em sequestros relâmpagos.

Com informações de O Informante