Polícia prende um homem acusado de vender carrões roubados de locadoras de outros estados em Imperatriz

Juliano Leite Queiroz, 36 anos. está preso em Imperatriz

Policiais da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), com apoio de policiais plantonistas da Delegacia Regional de Polícia Civil em Imperatriz, sob o comando do delegado Vital Rodrigues de Carvalho, prenderam na quinta-feira (19) o homem identificado por Juliano Leite Queiroz, 36 anos. A prisão aconteceu pela manhã, quando o acusado se encontrava em sua residência, localizada no Jardim América. 

A prisão de Juliano Queiroz aconteceu porque ele é acusado de ter vendido um veículo MWM, modelo X3, cor branca, que pertence a uma locadora estabelecida na cidade de Manaus, estado do Amazonas. Juliano Queiroz foi denunciado pelo comprador desse veículo, que foi interceptado pela Polícia Civil, que já estava investigando a existência do veículo rodando em Imperatriz.

Segundo o delegado Vital Carvalho, Juliano teria oferecido outro veículo, um Ford Fox, cor azul, que está nas mesmas condições, à mesma pessoa que havia comprado o MWM, que comunicou o fato à polícia.
Na residência de Juliano, foi apreendido o Ford Fox, cor azul, placa PZT – 8361 Belo Horizonte, que é de propriedade da empresa Localiza, de uma cidade no interior do estado de São Paulo. O veículo tinha sido alugado e foi localizado na garagem da residência de Juliano Leite Queiroz.

Quanto ao veículo Fiat Uno, cor vermelha, Placa PST-3563 São Luis, está sendo feito levantamento para que seja definida sua origem.
Juliano é acusado de vender um veículo para um advogado na cidade de Estreito, nas mesmas condições, pertencente à uma empresa locadora.

O advogado teve o carro apreendido e nunca conseguiu reaver o que pagou, ficando no prejuízo, que segundo informações, ultrapassa R$ 200 mil. Ele é acusado de outros casos, segundo o delegado Eduardo Galvão, titular da Delegacia Regional de Polícia Civil de Imperatriz.

Juliano foi autuado em flagrante por receptação e estelionato e transferido da carceragem da Delegacia Regional de Polícia Civil para a Unidade Prisional de Ressocialização da cidade de Imperatriz (UPRI), depois de realizar os exames médicos de praxe.

Com informações de O Progresso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.